Conservar o meio ambiente é chave para a produção de energia, afirma diretor-geral da Itaipu na COP 28

Foto: Cláudio Kbene

Em painel na Conferência do Clima, Enio Verri falou sobre ações de recuperação ambiental e da integração com os ODS da ONU. “Itaipu é a hidrelétrica mais sustentável do mundo”, frisou

Em painel na Conferência das Nações Unidas sobre Mudança do Clima, na tarde deste sábado (2), em Dubai, o diretor-geral brasileiro de Itaipu, Enio Verri, apresentou dados e afirmou que a hidrelétrica binacional é a mais sustentável do mundo. A fala fez referência às ações de recuperação de florestas e cuidados com meio ambiente realizados pela empresa há décadas, que agora serão expandidas dentro do programa Itaipu Mais que Energia.

Verri reforçou o compromisso da empresa no cumprimento dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS), propostos pela ONU, como forma de cuidado com o seu insumo de produção de energia: a água. E destacou que a Itaipu depende da preservação do meio ambiente para continuar a produzir eletricidade.

Por conta dessa relação, segundo ele, está na missão da empresa a responsabilidade social e ambiental. “No nosso caso, sem água não há energia. Portanto, cuidar da água é investir em energia. A Itaipu assumiu as responsabilidades social e ambiental no seu planejamento estratégico e, há mais de 15 anos, promove mudanças substanciais nos territórios em que está inserida”, disse.

O diretor enfatizou que para preservar o meio ambiente é fundamental cuidar das pessoas. Para ele, enfrentar as mudanças climáticas passa pelo desafio de lutar contra a pobreza e fome, algo que deve ser levado em consideração em diferentes atividades. “Os 17 ODS da Agenda 2030 são interconectados e transversais, que permitem avaliar a sustentabilidade de um projeto sob os pontos de vista econômico, social e ambiental.”

Opinião partilhada pela ex-empregada de Itaipu, a socióloga e esposa do presidente Lula, Janja Lula da Silva, que também fez parte do evento. Ela, que acompanhou a implantação de muitas das políticas sociais da empresa, reforçou a integração dos ODS. “Todos os objetivos, em maior ou menor grau, estão conectados. Falar de acesso de energia é falar de combate à fome.” E Janja destacou que para cumprir os objetivos o governo precisa da ajuda de toda a sociedade, lembrando do trabalho que a Itaipu já tem feito por meio das parcerias com municípios e entidades.

A Binacional também foi citada como exemplo pelo chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República, Márcio Macêdo. De acordo com ele, a empresa tem uma política consolidada na ação dos ODS. “Temos muito a aprender com a Itaipu, principalmente sobre esse diálogo”, ressaltou.

Também participaram do painel o ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira e o embaixador André Corrêa do Lago. O debate foi mediado pela cofundadora e presidente do Instituto Igarapé, Ilona Szabó de Carvalho. 

Encontros com entidades

Ainda na agenda do sábado (2), a Itaipu, por meio de seus dois diretores-gerais, Enio Verri (brasileiro) e Justo Zacarías Irún (paraguaio), esteve reunida com duas importantes entidades globais. Pela manhã o encontro foi com a The International Hydropower Association (IHA); já à tarde, a reunião aconteceu no pavilhão do Departamento das Nações Unidas para Assuntos Econômicos e Sociais (Undesa).

Ambos os encontros serviram para tratar de retomadas em parcerias e novas ações que podem ser feitas em conjunto entre as entidades e a Itaipu.

Imagem: Cláudio Kbene 

Compartilhe!

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
API key not valid, or not yet activated. If you recently signed up for an account or created this key, please allow up to 30 minutes for key to activate.
plugins premium WordPress