Estação Ecológica Rio das Pombas: Paraná ganha a 73ª Unidade de Conservação

Complexo ambiental instalado em Pontal do Paraná, no Litoral, tem uma área de 793,83 hectares e foi classificado como de natureza de proteção integral, ou seja, com restrição à intervenção humana. Parque vai ajudar na proteção de espécies da fauna e da flora ameaçadas de extinção.

O Paraná passa a contar com 73 Unidade de Conservação (UCs) a partir desta quarta-feira (26). O decreto 6.327/2024 , publicado no Diário Oficial do Estado, oficializa a criação por parte do Instituto Água e Terra (IAT) da Estação Ecológica Rio das Pombas, em Pontal do Paraná, no Litoral. O complexo ambiental tem uma área de 793,83 hectares e foi classificado como de natureza de proteção integral, ou seja, com restrição à intervenção humana. O IAT é vinculado é o órgão ambiental, vinculado à Secretaria de Estado do Desenvolvimento Sustentável (Sedest).

Essa é a primeira UC de Pontal do Paraná e vai ajudar na proteção de espécies de plantas ameaçadas de extinção, como a Caixeta (Tabebuia cassinoides) e o Palmito-Juçara (Euterpe edulis). Além disso, o espaço também é habitat de uma grande variedade de espécies da fauna local, como a onça-pintada (Panthera onca), bugio (Alouatta fusca), anta (Tapirus terrestris), puma (Felis concolor), jaguatirica (Felis pardalis) e tapeti (Sylvilagus brasiliensis), entre outras.

O nome da nova Unidade de Conservação é uma homenagem ao rio que corta a área, marcada pela presença de mananciais na região.

Gerente de Biodiversidade do IAT, Patricia Calderari destaca que o espaço em que a nova UC será implementada foi selecionado exatamente por causa da diversidade de biomas, reunindo seções de floresta ombrófila densa de terras baixas e formações pioneiras com características fluviais. “Essa é uma área muito importante, que será incorporada ao patrimônio natural do Paraná, ampliando o raio de proteção ambiental. O foco é exclusivo para a proteção e conservação da natureza, além da produção de pesquisas científicas”, afirma.

“É também dali que sai a captação de água que abastece a comunidade local, o que torna a preservação dessa estação ainda mais importante do ponto de vista ambiental”, acrescenta ela.

REDE AMBIENTAL – A Estação Ecológica Rio das Pombas vai compor um imenso mosaico de proteção e conservação da Mata Atlântica no Litoral do Paraná. A região conta atualmente também com o Parque Nacional de Saint-Hilaire/Lange, Parque Estadual do Rio da Onça, Estação Ecológica de Guaraguaçu e o Parque Estadual do Palmito.

Além da nova área de proteção em Pontal do Paraná, o Governo do Estado está finalizando os estudos para implementação de mais quatro UCs. A intenção, de acordo com a diretoria de Patrimônio Natural do IAT, é oficializar nos próximos meses a abertura da Estação Ecológica Tia Chica, em Reserva do Iguaçu (Centro-Sul); da Estação Ecológica Reserva de Bituruna, em Bituruna (Sul); a Área de Proteção Ambiental (APA) do Miringuava, em São José dos Pinhais (Região Metropolitana de Curitiba); e o Refúgio da Vida Silvestre das Ilhas dos Guarás, em Guaratuba (Litoral). Ao todo, os quatro novos espaços terão 5.393,24 hectares de áreas protegidas.

Os novos locais se juntarão a outras 73 Unidades de Conservação estaduais existentes no Paraná, todas geridas pelo Instituto Água e Terra.  Elas compreendem 26.250,42 km² de áreas protegidas por legislação, formadas por ecossistemas livres que não podem sofrer interferência humana ou àquelas com o uso sustentável de parte dos seus recursos naturais, como os parques abertos à visitação pública.

“São iniciativas importantes de estruturação das nossas UCs, para reforçar o protagonismo do desenvolvimento sustentável no Paraná”, destacou o diretor de Política Ambientais da Sedest, Rafael Andreguetto.

LEGISLAÇÃO – A criação dessas áreas segue regulamentação específica, seguindo critérios da instrução técnica N° 001/2020 elaborada pela diretoria do Patrimônio Natural do IAT. Após a identificação de uma área com recursos biológicos únicos, como espécies ameaçadas de extinção ou a presença de aspectos paisagísticos e culturais relevantes, o órgão abre um protocolo para a execução de estudos prévios visando levantar informações essenciais sobre a região e construir um perímetro preliminar do espaço.

Com as características do local definidas, o processo continua com uma série de procedimentos executados pelo IAT. Eles incluem reuniões com os proprietários dos imóveis onde a futura UC está localizada para explicar o propósito do projeto, a elaboração de um mapa ilustrativo e do georreferenciamento do local, e a definição de um plano de manejo adequado para as necessidades da unidade.

Compartilhe!

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
API key not valid, or not yet activated. If you recently signed up for an account or created this key, please allow up to 30 minutes for key to activate.
plugins premium WordPress